jusbrasil.com.br
6 de Julho de 2022
    Adicione tópicos

    Relator e presidente do STF votam a favor de ADI da OAB

    Brasília Os ministros do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux e Joaquim Barbosa votaram a favor da Ação Direta de Inconstitucionalidade que questiona trechos da lei eleitoral que permitem o financiamento de campanhas eleitorais por empresas privadas. A ADI foi proposta pela OAB em 2011. O julgamento da ação começou na quarta-feira (11) e continua nesta quinta-feira (12), com o voto do ministro Dias Toffoli, que demonstrou ser a favor da ação, e o pedido de vistas de Teori Zavascki.

    Relator da ação, Luiz Fux afirmou em seu extenso e detalhado voto que empresas não deveriam influenciar no processo eleitoral por meio de quantias vultuosas de dinheiro. O ministro também criticou a crescente influência do poder econômico nas eleições com o aumento dos gastos dos candidatos. Fux ainda elogiou a atuação da OAB ao propor a Ação Direta de Inconstitucionalidade. Para o relator, as mudanças já deveriam valer para o pleito de 2014.

    É um ultraje aos princípios republicanos o poder econômico ganhar do poder político, afirmou Fux. A presente ADIN suscita reflexão sobre os limites desse poder e quer que a Suprema Corte de pronuncie sobre o ponto nuclear do nosso sistema político.

    O ministro concordou também com outro ponto proposto pela OAB: a pessoa jurídica não tem caráter de cidadã. As participações cívicas de votar, ser votado e participar do processo eleitoral são inerentes à pessoa natural. Pessoa jurídica não tem título de cidadã, afirmou. Autorizar a participação de empresas no processo público encerraria as próprias instituições públicas.

    O relator da ADIN ainda criticou a ausência de perfil ideológico das doações. Empresas doam para todos os principais candidatos, é uma estratégia com objetivo de evitar futuras represálias políticas, disse em seu voto.

    O relator demonstrou-se contrário à ideia de que a decisão sobre doações de empresas a campanhas eleitorais seja uma discussão meramente política e, portanto, deveria ser resolvida no âmbito do Congresso Nacional. Não se pode duvidar que o resultado da reforma eleitoral interesse aos próprios agentes políticos, afirmou. O STF é catalisador deliberativo para que se busquem os melhores resultados para a sociedade.

    Fux concordou com a proposição da OAB de haver limites de doações de pessoas físicas de acordo com a sua renda bruta. Hoje, o limite é de 10%, qualquer que seja a renda. Quanto mais rica for a pessoa, maior será a sua capacidade de influenciar os resultados das eleições, o que gera um quadro de desigualdade na disputa eleitoral", disse.

    O relator votou para que o Congresso se manifeste sobre o assunto em até 24 meses, assim como em relação às doações diretas de empresas para partidos e candidatos. Se em 18 meses o Congresso não avançar na matéria, o TSE poderá criar uma regra provisória.

    Barbosa

    Segundo a votar, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, seguiu o voto do relator Luiz Fux, mas discordou quanto à modulação. Para Barbosa, o Congresso teve tempo suficiente para se manifestar em relação a essas questões, já que a ADIN é de 2011.

    O presidente demonstrou-se fortemente contrário ao financiamento de campanhas eleitorais por empresas. Democracia não deveria ter preço, mas é sobre isso que a Corte terá de se debruçar, afirmou Barbosa. O poder econômico não deve mais condicionar o poder político.

    Contribuir para campanha é inconstitucional, pois tem influência nefasta nos pleitos. Isso compromete a legitimidade do processo eleitoral e compromete a independência de nossos representantes, afirmou.

    Informações relacionadas

    Supremo Tribunal Federal
    Jurisprudênciahá 22 anos

    Supremo Tribunal Federal STF - AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE: ADI 2207 AL

    OAB - Seccional São Paulo
    Notíciashá 3 anos

    OAB SP ingressará como amicus curiae em ADI no STF sobre uso de detectores de metais em Fóruns

    STF julga ADI proposta pela OAB contra lei de SC que reduziu teto de pagamento das RPVs

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)